Como largar a fralda?

© Andreia Von Japo | Rede Mãe

© Andreia Von Japo | Rede Mãe

O controlo voluntário dos esfíncteres anal (controlo para fazer cocó) e uretral (controlo para fazer xixi) é alcançado algum tempo depois da criança começar a andar, entre os 18 e os 24 meses, sendo essa a altura em que normalmente a criança poderá começar a largar as fraldas.

Contudo, a criança precisa de ser capaz de reconhecer a urgência de soltar e segurar os produtos a eliminar e ser capaz de comunicar essa sensação. Normalmente não está fisiologicamente pronta até aos 18 a 24 meses, altura em que a criança já domina as habilidades motoras grossas essenciais de comunicar de forma compreensível e está consciente da capacidade de agradar aos pais e de controlar o corpo.

O controlo noturno das micções pode demorar vários meses ou anos depois de iniciado o treino diurno. Isto acontece porque o ciclo de sono tem que amadurecer, de forma, a criança acordar na hora de urinar. No entanto, se a criança não tem controlo noturno até aos 6 anos possivelmente necessitará de intervenção.

O treino intestinal normalmente é conseguido antes do da bexiga por causa da sua maior previsibilidade e regularidade. Há uma sensação mais forte para a defecação do que para urinar e a sensação de dejeção chama a atenção da criança.

A regressão no controlo de esfíncteres pode acontecer face a uma situação stressante na família ou se a criança estiver a ser pressionada demasiado ou muito rapidamente.

 

Por que é tão importante esta etapa?

  • É uma tarefa de desenvolvimento crucial no caminho para a autonomia da criança;
  • Exige empenho e envolvimento da criança, dos pais e dos estabelecimentos de ensino.

 

Quando é que a criança está pronta?

  • Tem controlo das funções da eliminação (permanece com a fralda seca durante algumas horas);
  • Dá indicações de que está a urinar ou evacuar, por exemplo, através da expressão facial, posição do corpo, interrupção de atividades, etc;
  • Demonstra coordenação motora e consegue, por exemplo, apanhar objetos e deslocá-los, levanta-se, vai buscar um objeto familiar, entre outros aspetos.

Importa ressalvar que os pais também precisam de estar prontos, ou seja, é preciso avaliar se passam tempo suficiente com a criança e de forma regular, se são capazes de tolerar algum nível de frustração nas rotinas educacionais sem perderem a calma e se são capazes de incentivar a criança pelos seus esforços.

 

O que pode fazer antes do treino do bacio?

  • Envolver a criança na compra do material necessário, por exemplo do bacio;
  • —  Permitir que seja ela a escolher o seu bacio;
  • Conhecer o padrão de eliminação da criança;
  • Colocar o seu boneco favorito no bacio para demonstrar como se faz.

 

O que pode fazer durante o treino do bacio?

  • Colocar a criança no bacio quando percecionado que necessita de urinar ou evacuar;
  • A criança deve permanecer sentada alguns minutos, mas sem a forçar. O uso de um boneco sentado num bacio ao lado da criança pode ajudar;
  • Se mesmo assim não conseguiu eliminar, deve ser elogiada pelo esforço;
  • Voltar a tentar mais tarde;
  • Quando a criança começa a ficar com a fralda seca por algumas horas começar a retirá-la;
  • Depois de urinar ou evacuar no bacio, incentivar o uso do papel higiénico e da lavagem das mãos;
  • Quando os acidentes acontecerem a criança não deve ser repreendida;
  • Todos os passos bem-sucedidos devem ser valorizados: um elogio, uma estrela no calendário num dos vários calendários disponíveis na internet…
  • Durante o primeiros tempos, até a criança começar a pedir para ir à casa de banho deve-se manter uma rotina de horário do bacio!
Publicado a 8 de abril de 2014 / Atualizado a 9 de abril de 2014

HOCKENBERRY, Marilyn;WILSON; WINKELSTEIN – Wong, Fundamentos de Enfermagem Pediátrica. 7ª ed. Rio de Janeiro: Elsevier Editora, 2006

BARROS, L. Perturbações de eliminação na infância e na adolescência. Lisboa: Climepsi, 2004

MOTA, D.; BARROS, A. Toilet training: methods, parental expectations and associated disfunctions. Jornal de Pediatria, Rio de Janeiro, 2008; 84 (1): 9-17

Veja o que a nossa comunidade está a dizer sobre este tema e comente! Comentar