Descobrir o sexo do bebé

Texto de opinião

 

Desde que há gravidezes, há a ansiedade de descobrirmos o sexo do bebé. Será que vai ser menino ou menina?

Esta dúvida remonta a aspetos funcionais da sociedade, pois já houve tempos em que filhos homens eram mais bem-vindos. Havia as questões da força de trabalho no campo, maior no sexo masculino, e aquelas sociedades onde as mulheres já nasciam com o peso dos dotes que os seus pais teriam que pagar para as casar um dia…
Coisas da história, mas que podem explicar a continuidade desta ansiedade que não tem cura!
Mesmo hoje, em que vivemos numa sociedade cada vez menos sexista, com todos a trabalharmos de igual forma (sabemos que este igual ainda pode ser mais igual…) a ansiedade continua.
Parece ter muito a ver com a escolha das cores do quarto, da compra dos enxovais ou da decisão do nome. Não é mais uma dúvida baseada na sobrevivência ou no futuro da família. Não é uma dúvida por questões da vida, de pensar sobre como vamos criar um menino ou menina, de aprender como vamos lidar com as dificuldades dos sexos, de sabermos projetar o futuro das nossas famílias. Esta curiosidade acontece por motivos um pouco mais superficiais.
Mas há razões muito importantes para se conhecer o sexo do bebé hoje em dia.
Há algumas doenças genéticas ligadas ao sexo – doenças que afetam exclusivamente ou preferencialmente pessoas do sexo masculino ou feminino – que podem ser evitadas quando se sabe o sexo do bebé precocemente.
Nos países onde a legislação permite o aborto, esta também pode ser uma opção dos pais que não desejam correr o risco de ter um filho(a) com um certo problema genético, quando este for o caso. Este assunto é muito mais delicado do que estas poucas palavras, e deve ser exaustivamente discutido com um médico ou geneticista.
Ainda assim, com a ansiedade que causa, saber o sexo dos bebés merece todo o nosso cuidado e atenção científica.
Portanto, devemos comemorar uma conquista da medicina genética.
Atualmente, as famílias já podem saber o sexo do bebé com apenas 8 semanas de gestação, graças à evolução da ciência e, mais precisamente, da biologia molecular!
Basta um exame de sangue simples da mãe, muito pouco invasivo e bastante rápido, pode antecipar com segurança alta o sexo do bebé. As famílias já podem conhecer o sexo dos seus filhos de forma segura, sem riscos para a mãe ou o bebé.

 

Como é possível?

Durante a gravidez, ocorrem trocas de celulares, pela corrente sanguínea, entre o bebé e a sua mãe; e, consequentemente algum DNA do bebé vai passar para a corrente sanguínea materna.
Laboratorialmente existem técnicas que conseguem detetar o DNA (do feto ou da mãe). Assim, os técnicos procuram identificar certos fragmentos que sejam apenas do bebé, que acontece com o sexo do bebé:
  • meninos/ homens apresentam um cromossoma X e outro cromossoma Y (XY)
  • meninas/ mulheres apresentam dois cromossomas X e nenhum cromossoma Y (XX)

É fácil perceber que o cromossoma Y é exclusivo dos homens.

Assim, quando se lê o DNA e se deteta o cromossoma Y no sangue da grávida, tem forçosamente de ser proveniente do feto do sexo masculino. E assim a mulher sabe: é um menino!!

Quando o teste não identifica o cromossoma Y, quer dizer que apenas há cromossomas X, o que indica – por exclusão de partes: é uma menina!!!

 

E quando são gémeos?

Bem, neste caso funciona também a exclusão de partes: se não forem detetados cromossomas Y são duas meninas.
Mas, se se detetar o cromossoma Y quer dizer que pelo menos um dos gémeos é menino, e o outro gémeo pode ser menino ou menina.

 

Onde posso fazer esse teste?

Já há vários laboratórios de análise clínica que fazem este teste. Fale com o seu médico, ele poderá indicar-lhe um local onde pode fazer este teste.
Boa sorte com esta informação mágica, pois bem sei que saber o sexo é uma ansiedade real, importante e digna de respeito.
Mesmo que seja apenas para escolher a cor da tinta que vamos comprar; se podemos com um simples exame diminuir a ansiedade materna é uma conquista para o casal grávido e sua família. Infelizmente, e como todas as novidades, esta ainda não é uma técnica muito barata.
Publicado a 19 de novembro de 2014

Veja o que a nossa comunidade está a dizer sobre este tema e comente! Comentar